27/07/2021

IRB Brasil RE: a trabalhosa volta por cima

IRB Brasil RE: a trabalhosa volta por cima
Fonte: IstoÉ

Depois de um escândalo que quase derrubou a empresa criada há 80 anos, a nova gestão do IRB saneou sua contabilidade em um prazo recorde. Daí vieram relatórios negativos que surpreenderam pequenos investidores. Eles suspeitam de manipulação

A história do IRB Brasil Re, empresa que já teve o monopólio no setor de resseguros, tem se mostrado um caso exemplar das fragilidades do mercado de capitais e das dificuldades das companhias de capital aberto em se reerguerem. As ações do IRB estiveram entre as mais comentadas da B3, a Bolsa brasileira, até o início deste ano. Até que estourou um escândalo de má gestão que derrubou os seus papéis.

Uma nova administração, tendo à frente Antônio Cássio dos Santos, ex-CEO do Grupo Generali, focou a partir de março na limpeza do balanço, na transparência e no reforço do compliance. Em um período muito curto, conseguiu reverter as expectativas, numa ação bem-sucedida que culminou com um aumento de capital de R$ 2,3 bilhões, com aportes de sócios como Bradesco e Itaú.

Esse esforço foi reconhecido. Mesmo que as ações tenham vivido uma montanha-russa, pequenos investidores apostavam que os papéis refletiriam o novo momento, apesar de levarem um tombo de 80%. Isso ocorreu até que novas turbulências surgiram, especialmente quando o banco UBS BB lançou um relatório pessimista que surpreendeu o mercado no início de outubro. Foi uma mudança total de visão. Em janeiro, antes de o escândalo estourar, o UBS aumentou o preço-alvo das ações para R$ 50 e reiterou sua recomendação de compra. Porém, em 5 de outubro, o UBS BB (denominação após a parceria com o Banco do Brasil) passou a recomendar a venda das ações, que desabaram 17,11% em um único pregão. Apontou um preço-alvo de R$ 4,60, bem abaixo do valor negociado, o que provocou uma movimentação atípica dos papéis.

Conhecer Seguros

Isso irritou investidores privados. Mais de 40 fizeram uma denúncia à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Roberto Kurylenko, de Porto Alegre, é um deles. Ele participa ativamente de foros de aplicadores e acompanha com lupa as posições da companhia. “O relatório apontou um preço-alvo muito baixo, considerando o lucro da companhia. Colocou um viés muito negativo, pegaram os piores números”, diz. Como outros, ele suspeita de manipulação. Vê conflito de interesses em bancos que fazem previsões negativas e ao mesmo tempo aplicam no mercado de “shorts” (quando se aposta na baixa).

Ainda que a regulação impeça que a mesma instituição atue ao mesmo tempo nos dois lados, o fantasma da interferência é corrente. Carlos Eduardo Murilo, de Uberaba (MG), também ficou indignado. Além de acionar a CVM, enviou uma denúncia para dezenas de autoridades. “Foi um verdadeiro terrorismo, dá a impressão que foi combinado. Destruíram a vida de muita gente. Uma empresa de 80 anos com R$ 20 bilhões de patrimônio não pode virar pó. Querem tirar os pequenos investidores do negócio”, diz. No jargão do mercado financeiro, é a disputa entre sardinhas e tubarões. “Há muita manipulação na Bolsa”, concorda Tania G. Mangolini, que investe desde 2019. “O IRB é uma nova empresa, está se reinventando bem rápido. A nova gestão está fazendo um trabalho excepcional. E as ações não reagem, parece que estão travadas “, afirma.

A CVM diz que o processo aberto por esses investidores — sigiloso — ainda está em andamento. E não é o único. “O mercado está sujeito à regulação. O problema é que a CVM muitas vezes age tardiamente e não tem braço suficiente”, diz Marcos Roberto de Moraes Manoel, coordenador da área de direito societário e mercado de capitais do escritório Nelson Wilians Advogados.

“O acionista minoritário tem uma proteção muito deficiente. Não se leva a sério a defesa deles”, afirma. O resultado é o enfraquecimento do mercado e a fuga dos estrangeiros. O dado é alarmante porque o número de aplicadores na Bolsa cresceu para 3 milhões de pessoas físicas — eram 800 mil em 2018. Só neste ano, cresceu cerca de 80%. Apenas com os papéis do IRB, elas negociaram mais de R$ 8 bilhões em 2020. A ação também é a terceira mais procurada no Google, com mais 550 mil buscas.

Números positivos

A atual direção da companhia sustenta que o caminho da recuperação é claro. Ao divulgar os resultados do terceiro trimestre, reportou prejuízo de R$ 229,8 milhões. Sem os contratos que estão sendo expurgados do balanço, ela já teria registrado um lucro líquido de R$ 149,4 milhões. Os dados positivos acontecem depois de uma grande investigação, que auditou dados até 2018. Isso gerou uma denúncia entregue à CVM, à Superintendência de Seguros Privados (Susep) e à seção fluminense do MPF.

A ação corre em segredo de Justiça. Os acionistas decidiram responsabilizar os antigos gestores. Quanto ao processo citado acima, o UBS BB afirma: “Apoiamos a qualidade de nossos relatórios e refutamos quaisquer alegações de conflito de interesse, juntamente com outras acusações infundadas que foram feitas. Acreditamos que nosso relatório é equilibrado, independente e fornece uma análise objetiva para nossos clientes institucionais”. “Ficou esse gosto amargo para o pequeno investidor”, diz Eduardo Guimarães, especialista em ações da corretora Levante. “O atual ‘management’ do IRB é bom, o mercado tem essa percepção. Mas eles têm um trabalho longo pela frente. Pegaram uma terra arrasada”, afirma.

Partículas Seguro Nova Digital

   PARTICIPE DO GRUPO DE WHATSAPP PARA PROFISSIONAIS DE SEGUROS

Leia, por fim, a 11ª edição da revista:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *